Apple pede que usuários atualizem dispositivos para corrigir falha de segurança – Tecnologia e Games

A Apple solicitou a seus usuários nesta terça-feira (14) que atualizem todos os dispositivos da marca após anunciar uma correção para uma falha de software, que permite que o programa de espionagem Pegasus se instale nos aparelhos sem a necessidade de qualquer clique. 


Os especialistas em segurança cibernética do Citizen Lab, um centro de pesquisa da Universidade de Toronto, descobriram a falha enquanto analisavam o telefone de um ativista da Arábia Saudita.  


O cidadão saudita é uma das dezenas de milhares de pessoas que teriam sido alvo do software Pegasus, de fabricação israelense. Segundo relatos de diversos meios de comunicação, o programa vem sendo utilizado no mundo todo para interceptar comunicações de ativistas dos direitos humanos, jornalistas e até mesmo chefes de Estado.  


A Apple afirmou ontem (13) que tinha desenvolvido “rapidamente” uma atualização de software, após ser alertada pelo Citizen Lab sobre a vulnerabilidade do programa iMessage em 7 de setembro.  


“Ataques como os descritos são altamente sofisticados e custam milhões de dólares para serem desenvolvidos. Geralmente, eles possuem uma vida útil curta e são utilizados para atacar indivíduos específicos”, afirmou a companhia.  


Por sua vez, o Citizen Lab relatou que estava pedindo que as pessoas “atualizassem imediatamente todos os dispositivos Apple”.


Vigilância próxima 

Desde julho, circulam informações de que os governos monitoraram alguns indivíduos mediante a utilização deste software altamente invasivo, que foi desenvolvido pelo NSO Group, uma empresa de inteligência israelense.  


Uma vez que o Pegasus se instala em um dispositivo, ele pode ser utilizado para ler as mensagens, acessar fotos e outros arquivos, rastrear movimentos e, inclusive, acionar a câmera.  


A falha corrigida pela Apple é conhecida como “zero-click exploit”, que permite que um aplicativo malicioso seja instalado em um dispositivo sem qualquer comando de seu dono, nem mesmo o acionamento de um botão.  


Outros programas de espionagem menos sofisticados geralmente requerem que a eventual vítima acione algum link ou arquivo para serem iniciados.  


O Citizen Lab informou que acredita que a falha encontrada, que batizou de FORCEDENTRY, pode ter sido utilizada para instalar o Pegasus em dispositivos a partir de fevereiro de 2021, ou até mesmo antes disso.  


Trata-se de uma variante de uma vulnerabilidade no software de mensagens da Apple que o Citizen Lab detectou anteriormente nos iPhones de nove ativistas do Bahrein, que foram monitorados através do Pegasus entre junho de 2020 e fevereiro deste ano.  


“Os aplicativos de chat populares são a parte mais vulnerável de segurança dos dispositivos. Eles estão em todos os aparelhos”, tuitou John Scott-Railton, pesquisador do Citizen Lab que ajudou a descobrir a falha.  


O WhatsApp, o aplicativo mais difundido no Brasil para a troca de mensagens, também teria sido utilizado pelo Pegasus para a invasão de dispositivos, e seu proprietário, o Facebook, está processando o NSO Group.  


Para Scott-Railton, a segurança dos aplicativos de mensagem “deve ser uma prioridade absoluta” e, nesse sentido, o especialista exortou seus seguidores nas redes sociais a atualizarem “agora” os dispositivos da Apple.


“Contraterrorismo e delinquência” 

Por sua vez, o NSO Group nega a existência de qualquer irregularidade no desenvolvimento de seu sistema de espionagem e insiste que o mesmo apenas serve às autoridades para combater o terrorismo e outros delitos.  


Porém, a companhia, que diz ter clientes em 45 países, não negou que o Pegasus foi responsável pela atualização urgente do sistema operacional da Apple.  


A empresa israelense informou em um comunicado que “continuará oferecendo às agências de inteligência e às forças de segurança em todo o mundo tecnologias que salvam vidas na luta contra o terrorismo e a criminalidade”.  


Já o Citizen Lab, que descobriu o Pegasus com auxílio da companhia Lookout há cinco anos, acusa o NSO de vender o software para governos autoritários, que o utilizam com fins repressivos.  


Índia, México e Azerbaijão lideram a lista de países onde diversos números de telefones foram supostamente identificados como possíveis alvos de clientes do NSO.  


Desde julho, quando o escândalo veio à tona, grupos de defesa dos direitos humanos fizeram vários apelos para que se estabeleça uma moratória internacional sobre a comercialização de tecnologias de vigilância, até que seja criado um marco regulatório para prevenir abusos.   


No mês passado, esse pedido passou a contar com o apoio de especialistas em direitos humanos das Nações Unidas.  


“É extremamente perigoso e irresponsável permitir que a tecnologia de vigilância e o setor comercial operem como uma zona livre de direitos humanos”, afirmaram.  


As autoridades de defesa israelenses, por sua vez, criaram uma comissão para revisar o negócio do NSO Group, entre eles o processo pelo qual são concedidas as licenças de exportação.

Veja também

Educa Mais

Enem 2021: Inep abre período de inscrições para isentos faltosos na edição de 2020

Hospital Veterinário do Recife abre, nesta quarta (15), 500 vagas para castração de cães e gatos
Folha Pet

Hospital Veterinário do Recife abre 500 vagas para castração de cães e gatos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Leia nossa política de privacidade